Visando o desenvolvimento de pastores saudáveis e ministérios relevantes, a Ordem dos Pastores Batistas Cariocas tem realizado nos últimos dois anos uma série de ações que englobam a capacitação e a comunhão de líderes da cidade do Rio de Janeiro. As programações são fruto de pesquisa e análise estratégica da organização, que passou a avaliar cuidadosamente seus objetivos e a formar equipes interessadas em promover um ambiente de integração.

O Workshop sobre planejamento estratégico, realizado nos dias 31 de julho e 6 de agosto, no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, veio consolidar a visão da OPBB Carioca sobre lideranças fortes e relevantes. Essa preocupação sobre planejamento já havia sido levantada por vários líderes batistas em pesquisa realizada pela Convenção Batista Carioca, há alguns meses, e agora vem sendo, a cada programação, respondida a partir da transmissão de conhecimentos de especialistas no assunto.

O pastor da Igreja Batista em Heliópolis e mestre em Administração, Davidson Freitas, foi o palestrante do Workshop Planejamento Estratégico para Organizações Eclesiásticas e de Terceiro Setor. Atendendo ao nosso pedido, ele esclareceu dois pontos importantes sobre o assunto, ajudando a clarear a visão daqueles que não conseguiram participar do evento.

 

Planejamento empresarial X Planejamento para igrejas e organizações religiosas

 

Existe diferença entre planejamento estratégico empresarial e planejamento para organizações religiosas?

Pr. Davidson: Considerando que o planejamento é a função administrativa que procura definir antecipadamente objetivos e os passos para atingi-los, definindo a razão de ser da organização, visão e valores, não há diferenças técnicas no processo de planejamento. Assim como as empresas necessitam monitorar o ambiente onde atuam e compreender como todos os atores desse meio se comportam e sofrem transformações, as igrejas e organizações religiosas têm a mesma necessidade.

Faz parte da realidade de toda organização, inclusive as eclesiásticas, questões relacionadas à liderança, administração e gestão. Nenhuma organização pode fugir ou ignorar todo o arcabouço existente ao seu redor nesses âmbitos.

A diferença está na essência da atuação desses dois grupos distintos, pois enquanto as empresas buscam maior efetividade em suas ações para obterem maiores lucros, as organizações do ambiente eclesiástico buscam maior efetividade com vistas à expansão do Reino de Deus, através do alcance de mais vidas com a mensagem de esperança em Cristo Jesus.

Estabelecer um processo de planejamento estratégico para igrejas e organizações religiosas não é transformá-las em empresas, mas buscar realizar tudo da maneira mais efetiva possível. Quanto mais organizados somos, menor é o desperdício dos recursos (financeiros, tempo, vidas, dons e talentos) colocados à nossa disposição para a execução dos ministérios sobre os quais temos responsabilidade.

Por que o planejamento estratégico é tão importante para os nossos líderes?

Pr. Davidson: Considerando que o processo de planejamento viabiliza a utilização efetiva (eficácia + eficiência) dos recursos disponíveis e ajuda as igrejas e organizações a manterem o foco em sua missão, contribuindo ainda para um processo mais inteligente de tomada de decisões, cada vez mais é necessário que pastores e líderes não somente conheçam esse processo, mas participem ativamente de forma que as organizações por eles lideradas alcancem níveis de excelência que capacitam as organizações a surpreenderem as pessoas e comunidades com quem se relacionam.

Líderes precisam compreender que não são especialistas em tudo. No processo de planejamento em que os objetivos e ações estratégicas são definidos, as responsabilidades são compartilhadas possibilitando que mais pessoas participem de todas ações necessárias para o alcance e superação destes objetivos. Colocando tudo isso no papel, cada pessoa com as habilidades necessárias para a excelente execução será acionada e o líder verá que o resultado alcançado será significativamente melhor do que aquele que se alcançaria caso ele centralizasse tudo em suas mãos.

Nossas organizações estão inseridas em um contexto que definiu obrigações legais, fiscais, trabalhistas, contábeis, entre outras, que não podem ser ignoradas e sobre as quais os líderes não detém o conhecimento necessário para atende-las. O planejamento estratégico e a governança organizacional, chamada de governança corporativa, com suas práticas viabilizam uma gestão que não trará vergonha para o Evangelho seja por gestão temerária ou por transgressões éticas que podem acontecer.

Os líderes de nossas organizações precisam conhecer tais desafios e cercarem-se de pessoas que podem ajudar no processo de atuação na sociedade de maneira ética, coerente, efetiva e referencial. Portanto, assuntos ligados ao planejamento estratégico e governança corporativa devem receber especial atenção por parte dos líderes de nossas organizações e igrejas.

 

Atenção ao planejar

Se você já percebeu o quanto planejar pode ajudar seu ministério em tomadas de decisões, encerramos por aqui com quatro pontos essenciais para uma boa estratégia. Eles não podem ser deixados para trás em seu planejamento: Missão e Visão, Análise de ambientes, Definição de objetivos e estratégias, Feedback e controle.

Quer saber mais sobre estes assuntos? Envie sua solicitação para marketing@batistacarioca.com.br . Sua mensagem servirá de base para nossas próximas programações de capacitação.