A Graça é uma inciativa divina, chegando como um convite que espera uma resposta: a fé (Efésios 2.7-10). Tendo sido alcançados pela Graça e respondido com a fé, começamos uma jornada que é fortalecida com as promessas publicadas na Bíblia e atestadas por nossa experiência.

A fé é palavra rica que se desdobra em vários sentidos, sendo o primeiro aquela que faz com que nossos nomes estejam escritos no Livro da Vida, cujo autor é Deus. Esta fé (que sela a salvação), uma vez abrigada em nossos corações, gera outro outro tipo de fé, que é a fé-confiança, que se alimenta da certeza de que as promessas de Deus para nós vão se tornar reais. Seguros, porque salvos, e animados, a fé cresce em forma de conhecimento, que vem pelo estudo da Bíblia, fonte divina, e de outros materiais, de autoria humana, aprovados pela divina autoridade.

A fé para a salvação, a fé-confiança e a fé-conhecimento vão nos dando uma visão do presente e do futuro. Com esta visão, somos capacitados para discernir o presente e ver o que Deus ainda fará conosco ou através de nós.

Todas estas faces da fé desembocam em outra faceta: a fidelidade, que nos faz ficar firmes e manter o amor manifesto no início da jornada, quando respondemos à chamada da cruz (fé para a salvação).

A fé-fidelidade é uma espécie de compromisso que voluntariamente estabelecemos com Deus. Ela acontece sobretudo na igreja e através da igreja, apresentada pelo apóstolo Paulo como sendo à comunidade pela qual a sociedade conheçe a sabedoria de Deus (Efésios 3.10).

A esta fé-fidelidade podemos chamar de compromisso, que nos faz viver de tal modo que a fé, que agora esposamos, seja entregue aos que ainda não foram alcançadas pela Graça.
Nós chegamos à fé pelas mãos da igreja.

É pelos pés da igreja que a fé chegará a outras pessoas.

Como as pessoas ouvirão, se o Evangelho da Graça nãos lhes for levado?

Esta fidelidade faz com que nos reunamos, oremos uns pelos outros e nos envolvamos na missão de iluminar o mundo com a verdade libertadora, pela qual Jesus viveu e morreu. E nós nos envolvemos tomando a iniciativa de atravessar fronteiras. Atravessamos fronteiras com nossos próprios pés e o faremos se, ao nosso redor, estiveram irmãos orando por nós. Atravessamos fronteiras quando, por meio de nossas mãos, entregamos nossos dízimos e ofertas, que possibilitam a proclamação da fé-conhecimento que nos foi entregue.

A devolução de um percentual (10% ou 11%), por nos custar deixar de usar parte que nos foi entregue, é uma demonstração de fidelidade, que só faz sentido para quem responde ao convite da Graça, desenvolveu a confiança em Deus e tem visão do que sua visão pode fazer.

Israel Belo de Azevedo
www.prazerdapalavra.com.br

Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do site.