Os cemitérios da Cacuia, Caju e São João Batista, todos da cidade do Rio de Janeiro, foram alvos de um trabalho especial da Capelania Juntos aos Enlutados (Missões Rio), realizado no Dia de Finados, na última quinta-feira. O impacto evangelístico contou com o apoio de voluntários de diferentes igrejas, divididos em três equipes missionárias cuja finalidade foi levar consolo e transformação aos que pranteavam por seus parentes e amigos falecidos.

O impacto junto aos enlutados foi uma iniciativa que vinha sendo planejada há alguns meses pelos missionários da Convenção Batista Carioca Pr. Nelson Cardoso, Filipe da Conceição e Amariz Braz. Eles, que vivem o dia a dia da missão nos cemitérios mencionados acima, identificaram a oportunidade desse feriado e buscaram o apoio de igrejas por meio de irmãos que se identificassem com a especificidade do trabalho.

Segundo os missionários, este impacto serviu de teste para os próximos. Foi o momento de experimentar métodos de abordagem, tipos de literatura e mapear o perfil das equipes. Ao todo, cerca de 40 pessoas realizaram as atividades que aconteceram no período da manhã e representaram várias igrejas da Convenção Batista Carioca.

“Os funcionários de lá elogiaram minha estratégia que não possibilitou nenhum folheto jogado no chão… Havia propaganda da concessionária no chão, mas nenhum folheto ou literatura das que distribuímos”, lembrou a missionária Amariz, feliz com os resultados dessa primeira experiência. Ela, de maneira especial, agradeceu ao Pr. Enoque Braz Correia, da PIB da Avenida Brasil, por ter ofertado o combustível do veículo que fez o traslado de sua equipe.

No Cemitério do Cacuia, Pr. Nelson e equipe estruturaram uma tenda para atendimento aos enlutados, oferecendo serviços como distribuição de água, literaturas, aferição de pressão e aconselhamentos.


“Um padre veio a mim e me disse que sentiu uma forte presença de Deus no trabalho que estamos realizando”, comentou o Pr. Ademilson Pacheco (IB Cacuia), que co-liderou a equipe de evangelização. Sentiu-se feliz por ver que o trabalho de capelania estava sendo bem visto pelos que tiveram algum contato com os evangelistas.

Vera Lúcia, outra voluntária que participou das atividades em Cacuia, sentiu a surpresa das pessoas que visitaram o cemitério ao se depararem com a tenda da capelania. “Ouvi de muitos o seguinte: ‘De onde vocês são? Qual a religião a que pertencem? Água de graça? Livros de graça? ‘. A nossa resposta para essas pessoas foi: ‘Está tudo pago. Jesus já pagou por nós! ‘”. Para Lúcia, foi gratificante marcar a vida das pessoas com o amor de Cristo. Diante de um mundo perverso e corrupto, foi possível mostrar a diferença de quem vive a esperança do evangelho.

A equipe do Cemitério do Caju, liderada pelo missionário Filipe, trabalhou especificamente com a distribuição de literaturas de apoio e evangelização. As atividades prosseguiram com tranquilidade até a tentativa de enfrentamento de um grupo religioso. “Nos reunimos para clamar a Deus para que toda a fúria de satanás fosse paralisada e, após o clamor, continuamos o evangelismo”, esclareceu o capelão, que avaliou os resultados do impacto evangelístico de maneira positiva.

A voluntária Luizanarlia, da Igreja Presbiteriana, ressaltou sua gratidão a Deus por esta experiência singular. “Participar do trabalho foi uma experiência gratificante pois foi uma oportunidade de ver o amor de Deus derramado na vida das pessoas que estavam ali. Aqueles com quem conversamos, deu pra ver a graça de Deus derramada. Elas saiam felizes, mais animadas, na certeza de que Deus as amava e que tomava conta deles. Foi bom demais!!”