fbpx

Se há algo que o ser humano faz bem é nutrir a si mesmo. Alguns se tornam tão especialistas, tão voltados para si, para sua autocontemplação, que são chamados de narcisistas. Sim, o “novo” natural, decorrente da chamada natureza decaída, é um convite ao egoísmo. Quer ver um exemplo? Pouco menos de 2500 pessoas concentram cerca de 50% dos recursos, das riquezas do mundo… tem algo muito errado, não é mesmo?

Bom, missões é a gramática do autodescentramento. Só se faz missões quando o outro se torna tão importante para nós, que nos dispomos a sacrifícios pessoais. Os mais desprendidos se tornam missionários; vão aos campos, deixam família, país, comodidades, para cumprir um chamado. Os demais, somos convidados a sustenta-los: dispor do tempo em oração pelos missionários e ofertar para mantê-los realizando o ministério que nós, por diversas razões, não temos como fazê-lo.

Missões é o convite de Deus olhar para fora de nós mesmos. Não por outro motivo, a fala de Jesus é para que levantemos os olhos para vermos os campos prontos para a colheita. Nunca é demais lembrar, que só levanta os olhos quem deixa de olhar para o próprio umbigo.

Ao realizarmos a campanha em prol de Missões Rio, estamos exercitando esse olhar para fora, buscando uma semelhança com Deus, que, segundo o linguajar bíblico, antes da fundação do mundo (Ap.13:8) já tinha previsto/acontecido o sacrifício do Cordeiro, Jesus Cristo. Nosso Deus é missionário, seu caráter não é autocentrado; por isso Ele é Luz (I João 1:5 – irradia para os outros) e Amor (I João 4:8 – voltado para o outro).

Então, a pergunta que fica é: qual o sacrifício pessoal que você está disposto a fazer para que alcancemos, como Igrejas Batistas Cariocas, como Convenção Batista Carioca, o nosso alvo? Ore, se coloque diante de Deus e deixe que o Espírito indique ao seu coração a oferta a ser dada. Afinal, queremos que a mesma Palavra de salvação que nos alcançou, chegue a outros também.

Que Deus nos abençoe
Pr. Sergio Dusilek
Presidente da CBC