Quanto a você, meu filho, fortifique-se na graça que há em Cristo Jesus.
E o que você ouviu de mim na presença de muitas testemunhas, isso mesmo
transmita a homens fiéis, idôneos para instruir a outros.
(2Tm 2.1-2, NAA)

Para todo estudioso do Novo Testamento, sobretudo aqueles que se empolgam com a narrativa lucana de Atos, uma pergunta se levanta: o que respondeu pelo vertiginoso crescimento do cristianismo nos primeiros séculos? Sem rádio, sem televisão, sem jornais impressos, sem internet, redes sociais, facebook, whatsapp, ou mesmo uma caneta esferográfica o Evangelho espalhou-se pelo mundo.

O venerando apóstolo Paulo chamou o momento da entrada de Deus na história de e “a plenitude do tempo”. Muitos analistas do cristianismo decodificam esta expressão paulina com a amplitude do alcance da língua grega, a disciplina política imposta pelo Império Romano e as estradas abertas e mantidas por esse Império.

Creio que alguma coisa a mais poderia ser incluída na “plenitude do tempo” que de alguma forma Lucas, o médico historiador, deixa evidente no segundo livro dirigido a Teófilo que poderia ser classificado como a anatomia da igreja primitiva.

Somente quando os crentes já estavam dispersos, foi na cidade de Antioquia que os adeptos da nova fé foram pela primeira vez “chamados cristãos”. Mas o que eles eram nesse intervalo de tempo e, na realidade, continuaram a ser depois deste fato?

Lucas registra a resposta antecipadamente. A cada oportunidade aberta por Deus o discurso comum dos crentes sempre foi: somos testemunhas. Testemunhas de um fato tanto histórico quanto transcendente: Ele morreu mas Ele também ressuscitou.

Jesus define o cristianismo como o conjunto das testemunhas dele. Essa foi a instrução por Ele dada em At. 1.8. Esse foi o critério básico para escolha do sucessor de Judas no colégio apostólico. Esse foi o grito de Pedro em todos os seus discursos – “nós somos testemunhas” – testemunhas de um fato. Ele é real, permanece vivo no coração e na mente de todos aqueles que por Ele foram chamados e não resistiram à esse chamado.

O que Paulo está dizendo a Timóteo é simplesmente isso: eu testemunhei a você diante de muitas outras testemunhas que podiam corroborar meu testemunho. Multiplique este testemunho. Testemunhe com uma alegria e autoridade tal do impacto de Jesus na sua vida que todos percebam que Ele ressuscitou e também se tornem testemunhas desse maravilhoso milagre.

Neander Kraul de Miranda Pinto
testemunha e Reitor do Seminário Teológico Betel